sexta-feira, 27 de maio de 2011

Oh delírios líricos colírios olhos os olhos olham as trevas e choram e chamam e chamam imploram
E choram lentamente emboloram e chamam as chamas da terra e choram novamente imploram
Por mais luzes menos misérias matérias mais claridades clarezas cristais raridades levezas belezas
Invisibilidades
Ah sutilezas
são leves suas mesas
Ah sutilezas
que asas que tesas

Nenhum comentário:

Postar um comentário